Total de visualizações de página

Postagens populares

Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

MASTECTOMIA E RECONSTRUÇÃO DA MAMA: UMA QUESTÃO DE PEITO...

Reconstrução mamária imediata melhora qualidade de vida
Roseli Gomes*

[A OPINIÃO CIENTÍFICA]

Algumas vezes abordamos o delicado tema do impacto emocional do câncer de mama e da mastectomia. Um verdadeiro drama para algumas mulheres, às vezes jovens, que são obrigadas a retirarem suas mamas com parte da estratégia para enfrentar o câncer e continuarem lutando pela sobrevivência. Uma possibilidade de alívio para este difícil momento é a reconstrução mamária imediata, ou seja, aproveitar o tempo cirúrgico da mastectomia para fazer a colocação da prótese mamária.
Um estudo nacional avaliou prospectivamente os efeitos da reconstrução mamária imediata sobre a qualidade de vida de mulheres mastectomizadas. Foram incluídas 76 mulheres submetidas à mastectomia no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Campinas, em Campinas, São Paulo, Brasil, entre Agosto de 2007 a Dezembro de 2008. Dois grupos foram formados: 41 mulheres no grupo de mulheres submetidas à mastectomia associada à reconstrução imediata da mama e 35, no grupo de mulheres submetidas à mastectomia exclusiva. A avaliação da qualidade de vida foi feita com o uso do questionário que foi aplicado em três momentos: na data da internação, após um mês e novamente seis meses após a cirurgia. Os principais resultados mostram que em todos os momentos, desde o pré-operatório, a pontuação média do Grupo de Reconstrução Mamária foi maior que da mastectomia exclusiva, principalmente nos domínios físico, psicológico, nível de independência e relações sociais. Mas, sobretudo, houve melhor pontuação no domínio psicológico.

Um dado interessante para ambos os grupos: o nível de independência baixo no primeiro mês pós-operatório se normalizou após seis meses da cirurgia. Mostrando que as mulheres são fortes o bastante para continuarem em frente e que a reconstrução mamária imediata dá uma forcinha nesta recuperação. (Oliveira et al. Efeitos da reconstrução mamária imediata sobre a qualidade de vida de mulheres mastectomizadas.

*Roseli Gomes. publicado em Saúde é Qualidade de Vida.31 de julho de 2011
Fonte: Blog do Dr. Alexandre Faisal - UOL Blog /
dralexandrefaisal.blog.uol.com.br


[a opinião e um conselho de quem fez mastectomia radical + reconstrução da mama na mesma cirurgia] 
www.google.com.br/images. NEM TODAS AS MULHERES RECONSTROEM A(S) MAMA(S) IMEDIATAMENTE E TEM MUITAS QUE  ESTÃO SEM PEITO HÁ DÉCADAS! A RECONSTRUÇÃO GRATUITA SÓ VIROU LEI RECENTEMENTE NO BRASIL. E AINDA  HÁ  VÁRIAS BARREIRAS A ENFRENTAR   PARA A RECONSTRUÇÃO OU NÃO DA(S) MAMA(S)! CADA CASO É ÚNICO E TEM SUA HISTÓRIA ÚNICA E COMPLEXA, LEMBRE-SE DISSO!  NA FOTO: MEU CASO É IDÊNTICO A FOTO DA DIREITA...COM MENOS PEITO.RSRSRS


Eu, Marina, passei por essa situação em 2002. O mastologista após conversar sobre o resultado da biópsia me mostrou todas as possibilidades para retirada do tumor (há vários tipos de cirurgias/mastecetomias mais conservadoras) e aconselhou-me a mastectomia radical [retirada de toda a mama, anexos e músculo peitoral + esvaziamento axilar]. Aceitei a indicação médica e fui encaminhada para o cirurgião plástico. O plástico me avaliou e me aconselhou a reconstrução imediata da mama na mesma cirurgia.
O MOTIVO: eu era muito jovem, casada, a ausência da mama podia afetar-me psicologicamente, socialmente, sexualmente, escambalmente. Eu só queria me ver livre do tumor, fui para a consulta achando que ele iria me consolar pela ausência da mama e o danado me deu uma opção de peito! rsrsrs
TOPEI. Como meu peito é do tipo ovo...frito, era só arrancar umas banhas dali e colocar lá!  Dei sorte de ter uma barriguinha, pois sempre fui muito mirrada, magrelinha!
NO FRIGIR DOS OVOS: saí da sala de cirurgia com um "arremedo" de peito muito da hora. Não era um, vamos dizer, "que peito!", mas era um peito! Tinha as cicatrizes, mas estava no lucro, sem o tumor, sem as células invasoras debaixo do "subaco"(kkkk) e os peiticos! Então veio a dona quimio e me jogou no chão:  fiquei fraca, enjoada, careca e cheia de metástases psicológicas, que são ideias malukas que espalham pru kbeção. He, he, he.
Solução: psicoterapia + medicamentos anti-depressivos e ansiolíticos. O médico era psiquiatra/psicanalista e quase me apaixono pelo danado. FREUD explica: transferência!kkkkk
Terminada a quimio fui para a radioterapia e aí...
A radio é super, hiper, mega, plus mais melhor de bão que a quimio! TRANQUILEX, SEDILEX, DURALEX! MAMÃO COM AÇÚCAR E MEL!
O que aconteceu???? Você curiosíssima.
E eu: as radiações provocaram endurecimento das cicatrizes da mama [fiquei com fibroses em algumas partes], deu uma repuxada no peitico, tracionou meu braço, enfim, CAGADA FENOMENAL no trabalho do cirurgião plástico! EIS MINHA OPINIÃO!

AGORA LÁ VAI O CONSELHO:

 Procure saber se o seu tratamento envolverá a etapa RADIOTERAPIA. Converse e tome opniões com os médicos mesmo que a sua cirurgia não seja a mastectomia radical. EU NÃO SABIA QUE TERIA PROBLEMAS COM MINHA MAMA NOVA E NO BRAÇO COM A RADIO! Se soubesse juro que esperaria para reconstruir   a mama depois da radio, para ficar com tudo uma belezura!
DÁ PARA ESPERAR E RECONSTRUIR DEPOIS SEM PIRAR O CABEÇÃO! EU PIREI, MAS FOI DE MEDO!
HOJE, DEZ ANOS DEPOIS, CURADÉRRRIMA, FAÇO FISIOTERAPIA   SEMANAL, MAIS AULAS DE ALONGAMENTO PARA MANTER MEU BRACINHO ESTICADO E A  MAMA NOS "TRINQUES"!

Se gostou do conselho me pague! PAGAR? É, VOTE NESTE BLOG NO TOP BLOG 2011 AÍ NO SELINHO AZUL AO LADO! brigadu e bjus.







9 comentários:

Adriana Ligia disse...

Oi, Marina, fiz a mastectomia radical com esvaziamente em março, estava planejada a radio até a cirurgia, vi alguns comentários das blogueiras que fizeram reconstrução imediada e tiveram efeitos na radio, decidi fazer a reconstrução depois, e me arrenpendi porque depois fiz a tomo e diagnosticou metastase no pulmão e por isso a radio foi descartada. Neste momento não tenho vontade de fazer a reconstrução, pois me acostumei e não quero voltar a CC tão cedo, quem sabe mais tarde.

Marina da Silva disse...

Adriana,
Neste perrengue sempre tem "pedra no meio do caminho", parafraseando o poeta Carlos Drummond. Ás vezes, tem é rocha mesmo, granitão! Espere essa fase passar, use os "disfarces" no lado operado e vá recuperando suas forças. Depois vc pensa na reconstrução. Eu acho muito importante a reconstrução, pois faz um bem enorme...para nossa cabeça! Fica com Deus! Abç. carinhoso. Marina.

Equipe Projeto Mama disse...

Marina,
O relato de sua vivência c/ a mastectomia, reconstrução e radioterap. é importante para todas as pacientes que venham a passar por isso. A reconstrução de mama não é um processo simples, quase sempre envolve 2 ou mais cirurgias e o cirurgião plástico deve estar preparado para considerar todas as variáveis que envolvem o tratamento p/ o câncer de mama antes de definir sua "estratégia", como você bem citou. Especificamente em relação à radioterapia, no caso de algumas pacientes, é melhor realizar a primeira etapa da reconstrução antes que o tórax seja irradiado do que esperar para iniciar toda a reconstrução após a radioterapia. Cada caso é único e nem sempre essa decisão é clara, mas é importantíssimo explicar para a paciente quais efeitos a radioterap. pode ter sobre a área de reconstrução como ficou claro no seu post. Estou visitando vários blogs sobre câncer de mama e reconstrução mamária para entender sobre quais assuntos os blogs e seus leitores teriam maior interesse. Abs,
Equipe Projeto Mama

Eliana disse...

Tudo começou com apenas um cisto no seio esquerdo ( tenho problemas com meu lado esquerdo, tendinite no pulso esquerdo, bursite no ombro esquerdo e desgaste na patela, joelho esquerdo rsrsr), ultrassons, mamografia, minha ginecologista disse que era apenas uma cisto de "agua" como eles chamam, passaram-se dois meses e o cito crescendo, minha amiga e querida ginecologista me recomendou ir para o mastologista; fui refiz ultrasom e mamografia,mesmo resultado "cisto com líquido", o mastologista fez então uma punção (retirou 120 mls de líquido)para um seio tipo 42!, mandou para analise, isto em uma sexta feira, no sabado o seio doendo de novo, voltei ao consultório na segunda, o medico puncionou mais 80 ml, enviou para analise novamente, e marcamos cirurgia para retirada do cisto!! simples nas duas coletas não deu nada de anormal, apesar do mastologista estranhar a cor do líquido e o tamanho do cisto.Retirei o cisto e tudo bem.Enfim no dia da retirada dos pontos fui ao consultorio com minhas duas cunhadas, tranquilas ,fomos até as compras antes.Quando entrei no consultorio o mastologista com aquele ar sério me perguntou se seu estava só, então ele pediu que chamasse minhas cunhadas e me deu a noticia de que dentro do cisto encapsulado tinha cancer!na parede interna do cisto.Choquei, minhas cunhadas ficaram atonitas.Mas ele me acalmou k era um cancer mt pequeno e que eu não morreria por isto, mas teria que retirar uma parte do seio; me encaminhou para o cirurgia para conversar sobre a reconstrução.Saí do consultorio agendada a cirurgia conjunta, um retiraria parte da mama e o outro colocaria o expansor e silicone no direito para ficar igual. No dia da cirurgia fiz um exame chamado pesquisa do linfonodo sentinela (doeu muito, pois eu vinha da cirurgia do cisto!!)De acordo com o resultado do exame os medicos tiraram parte do seio , o mamilo e a auréola, colocou-se o expanso, turbinei o direito pra ficar igual.Até então tudo tranquilo não precisaria de quimio nem rádio, porque o cancer era muito pequeno, se precisasse de radio o cirurgião plastico não poderia colocar o expansor porque corria o risco de endurecer e estraga-lo.Depois da cirurgia o medico começou a infla´lo, foi qdo apareceu sinais de infeccção.Fiquei 19 dias internada por conta de infecçao,(já estava em setembro)passou a infecção.Comecei a sentir dor nas axilas e inchaço, fiz exames ultrassom e punção , de acordo com o resultado era acumulo de liquido e fez-se punção e tomei remédios.Em outubro voltei para a sala de cirurgia para retirar o expansor, que de acordo com os medicos estava infectado e por isso os antibioticos não faziam efeito.Final de ano com muitas dores, axila inchada, me internei dia 04 de janeiro de 2011, em trinta e quatro dias de internação 4 cirurgias. a penultima de quase sete horas, retiraram parte do musculo peitoral, tudo que restava do seio esquerdo e mais um pouco, foi necessario tirar pedaço do musculo e tecido das costas para cobrir o buraco que ficou!!! detalhe mastologista e e oncologista anterior, nem deram sinal de vida!!!!nem responderam ás ligações nossas e da equipe medica que assumiu o meu caso!!!Novo mastologista, infectologista, oncologista e cirugião plástico!!Melhor pra mim, hj eu sei. Resumo final , fiz 12 sessões de quimio, fiz radio, como deveria ter feito no inicio!. Tava na luta agora com o convenio Bradesco para autorizar o PET, recebi q noticia que não autorizaram. Beleza.... vamos lá fazer e pagar!
Mas eu creio em Deus que o pior já passou, sofri muito, minha família e amigos tambem , mas creio que tudo na vida da gente tem um propósito, nos lugares em que estive, clinicas , hospitais, falei da força que Deus tem me dado e como tem me sustentado. Dizem que sou forte e guerreira, mas a minha força é o meu Deus.E creia Deus so permite o que vc pode suportar.

siomara sales disse...

tudo bom marina,eu vou ter que fazer mastectomia radical,mas quero reconstruir imediato por meu bem prefiro e pra cirurgia e fazer tudo de uma vez,do que ficar voltado.Beijão...

CANTINHO DA CARMINHA disse...

oi marina, para mim foi muito esclarecedor seu depoimento, pois eu estava me perguntando pq a medica disse que eu so faria a reconstrução tardia , ela disse que eu faria radio depois da cirurgia e talvez nem fizesse a quimio,bom sab que eh a radio que pode ser a pedra no caminho,kkkk

Riza Oliveira disse...

Gostei de encontrar a citação do meu artigo científico aqui!
Em caso de dúvidas é só entrar em contato. Também tenho um blog:www.raizesfisioterapia.com
Abraços e força a todas!!!
Riza Oliveira

Anônimo disse...

Ola tenho 44 anos e moro em Fortaleza/Ce, acabei de fazer mastectomia radical mais remocao do linfonodo Sentinela, q apesar de ter dado negativo sei q vou ter q iniciar a radio. Nao fiz reconstrucao ainda...acredito q eh importante sim pra nossa feminilidade, porem estou c medo. O dreno e a sensacao de vazio por estar sem a mama me aterroriza...

Marina da Silva disse...

Olá cearense,
Se tiver certeza da radioterapia converse com o mastologista e cirurgiã(o) plástico sobre os riscos da radio comprometer o tecido da mama e depois não ser possível fazer reconstrução. Os casos que a mim tem chegado são que os médicos estão optando por colocar expansor (silicone) até a cirurgia de reconstrução definitiva.
Não é a cirurgia definitiva porque a radio pode endurecer o silicone. TIRE SUAS DÚVIDAS LOGO e se ficar sem a mama te faz sentir tão mal não arrisque a radio sem expansor e SEM OPINIÃO DOS MÉDICOS! bJ. Marina